Fika

Ontem recebi um convite via email para participar de um “Fika” semanal.

Nas últimas duas semanas (e pelos próximos dois meses) eu estou trabalhando com uma turma de consultores de uma “Big 4”.

Para quem nunca precisou contratar uma consultoria, “Big 4” é como nos referimos às quatro maiores firmas de consultoria do mundo.

Consultoria normalmente é sinônimo de profissionais jovens, em cargos importantes, trabalhando muito e ganhando pouco. Eu já sentei nesse cadeira (por duas vezes) durante a minha vida profissional, então eu sei bem como funciona.

Mas agora que eu já passei dessa fase e sou “Cliente”, fico observando esse universo com sentimentos misturados.

Eu já comentei em um post anterior que londrino “da gema” vem para o escritório para trabalhar e evita ficar fora da mesa por muito tempo, para não parecer o contrário. Não tem conversa fiada com os colegas e o almoço é na mesa, para garantir a eficiência.

Aí observo que em casos de consultoria esse comportamento é ainda mais acentuado. A situação é tão relevante, que chegamos ao ponto de precisarmos eleger dois representantes, um do meu banco e outro da consultoria, para cuidar da integração do time.

A gente está trabalhando juntos como um time só, então temos que tentar nos entrosar para entregar o trabalho no prazo (super curto).

Eu, como boa brasileira, estava esperando receber um convite para uns “drinks” (aqui não se diz happy hour – beber com os colegas de trabalho depois do expediente é dito como drinks ou “team social”). Mas fui convidada para um… fika.

Como muito bem explicado no convite, o tal fika é um verbo sueco, que poderia ser traduzido como uma “pausa para o café”.

E lá na Suécia esse verbo é super levado a sério: eles param uma ou duas vezes ao dia para tomar um café, comer um bolo, bater um papo com os colegas.

Mas a nossa versão semanal fika, que poderia ser o equivalente a um chá da tarde londrino, está marcado para acontecer em 15 minutos.

Toda a terça-feira, aqueles interessados em fazer um “fika” vão se encontrar na entrada do nosso andar, próximo ao elevador. De lá seguiremos para um café (que descobri hoje tem um convênio com a Consultoria: os consultores vão beber café de graça toda semana!).

Quinze minutos é o tempo que levamos para pegar o elevador, sair do prédio, caminhar até o café, fazer o pedido e voltar. Mentira: deu um pouquinho mais de 15 minutos.

Interação de verdade, não rolou muito. Rolou um papo de elevador durante todo o caminho, mas acho que por ter sido o primeiro, as pessoas ainda estão tímidas. Depois deve melhorar.

No geral, a idea é boa. Mas fico me perguntando por que essa molecada precisa colocar na agenda uma pausa para o café?

Para mim, que não consigo ir até a impressora sem parar para conversar com alguém, marcar dia e hora para tomar um cafezinho é tão desnecessário. Até por que eu não gosto de café…

Anúncios

6 comentários em “Fika

Adicione o seu

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

Site hospedado por WordPress.com.

Acima ↑

%d blogueiros gostam disto: